sexta-feira, 26 de março de 2010

Spaghetti al doppio agli e shitake secchi

Por Luciana Betenson

Já contei que na última degustação de vinhos em casa ganhei de presente do meu amigo Jacques B. três cabeças de alho negro, além de echalotas plantadas pelo próprio Jacques na sua horta, e um livro muito interessante, “A História da Alimentação no Brasil” do Câmara Cascudo. Presentes inestimáveis de um gourmet para uma aprendiz de gourmet ;-)

Fiquei muito feliz com o presente, o alho negro é hoje um dos ingredientes da moda entre os chefs de cozinha e estava curiosa para prová-lo. Trata-se do bom e velho alho mesmo, que passa por um processo de maturação que o deixa com consistência pastosa e um sabor bem diferente. Até o ano passado, só havia no Brasil alho negro importado, o que o tornava quase inacessível aos gourmets amadores. A boa notícia é que a Marisa Ono, blogueira/cientista/cozinheira que viveu 16 anos no Japão, conseguiu produzir um bom alho negro nacional, já à venda no mercado. Foi este o alho negro que ganhei.

Achamos o gosto dele próximo a de um aceto balsâmico envelhecido. Também lembra shoyo, ameixa seca, uva passa e cogumelos secos.

Mas o que fazer com ele? Incrível como a nossa cabeça (pelo menos a minha) resiste a quebrar paradigmas. No começo, consegui apenas pensar no alho negro como alho, e parti para receitas tradicionais feitas com este ingrediente. Testei uma massa aglio e olio. Depois fiz um pesto tradicional, apenas substituindo o alho comum pelo negro. A massa aglio e olio até ficou boazinha... já o pesto ficou bem ruim... rsrsrs!

Só aí as ideias começaram a clarear: tinha que entender o alho negro dentro das suas complexidades e características próprias, bem diferentes do velho alho de todo dia. Algumas pessoas souberam quebrar estes padrões pré-estabelecidos com maestria: a própria Marisa fez uma massa oriental  divina e a Dri Simizo fez um molho de alho negro delicioso.

Na terceira tentativa resolvi então seguir o conselho do Jacques de unir os dois alhos, o comum e o negro, em uma só receita. Resolvi acrescentar o shitake seco, para destacar o sabor de cogumelos do alho negro. Deu certo! Não chega aos pés da criatividade dos pratos elaborados pelas blogueiras que mencionei acima, mas o spaghetti al doppio agli e shitake secchi ficou bem gostoso. Podia até ter posto uma salsinha no final... E já estou aqui pensando em um molhinho de salada com minha última cabeça de alho negro... Ou talvez um peixe? ;-)


Spaghetti al doppio agli e shitake secchi

200 g de spaghetti
1 litro de água
1 col (chá) de sal
2 col (sopa) de azeite
1 col (sopa) de manteiga
4 dentes de alho espremidos
1 cabeça de alho negro
25 g de shitakes secos já deixados de molho por 1 hora
1/2 xíc (chá) de saquê (ou vinho branco)
1 /12 xíc (chá) da água fervente (ou caldo de cogumelos se tiver)
1/2 col (chá) de sal



Levar ao fogo uma panela com água e sal para cozinhar a massa. Refogar o alho comum na manteiga e no azeite. Juntar o shitake, refogar mais um pouco e juntar o saquê. Depois que o saquê evaporar, acrescentar meia xícara de água fervente, abaixar o fogo e deixar cozinhar com a panela tampada.  Acrescentar mais água (ou caldo), até o shitake cozinhar e ficar macio. Desligar o fogo e juntar o alho negro. Cozinhar a massa, escorrer e jogar na panela do molho. Ligar o fogo novamente e deixar um minuto, mexendo para misturar a massa ao molho. Servir imediatamente.

15 comentários:

Ana Powell disse...

Wow, não conhecia esse alho.
Uma excelente e deliciosa sugestão.
Adorei a combinação de ingredientes x

Junia Ansaloni disse...

Adorei sua criatividade !!! Eu tambèm gosto muito desse alho !!! Bjim e bom final de semana !!!

Iliane disse...

não conheço esse alho!!que interessante!!!mas..amei sua receita maravilhosa..bjus...li

Figos & Funghis disse...

Oi Lú! Amei esta receita! Já comi alho negro e me apaixonei, não é nada parecido com o alho normal, é muito mais suave. Mas ainda não encontrei para comprar, assim que achar vou testar alguma receita com ele em casa.
A massa ficou divina!
Bjinhos

Mari Campos - Pelo Mundo disse...

Grande post! eu tambem to super curiosa para provar o alho negro - interessantissimo vc descrever o sabor. E que receita, hein? Deu fome ;-)

Virginia disse...

Lu, que prato, hein? Do tipo que eu gosto, fiquei morrendo de vontade de experimentar aqui. Mas onde compro alho negro no Rio, você sabe? Beijo

Luciana B. disse...

Pessoal,
A única pessoa que fabrica o alho negro no Brasil é a Marisa Ono, cujo link pro email está aí em cima no texto. Beijos!!

»¤Þ䵣䤫 disse...

Que chique, essa massa deve ter ficado divina com alho, adorei! Bjinhos

carladuc disse...

Nossa, esse prato parece uma delícia.

Tbém to curiosa pra provar esse alho. Preciso procurar se aqui na Holanda tem disponível em algum lugar. S

Beijo,

Dri Simizo disse...

Ainda não experimentei fazer o alho com o spaghetti, mas todo mundo q tentou falou q ficou ótimo!
Qdo recebi os meus..fui logo comer com azeite e sal. Só assim já fica saboroso! Dei alguns de presente tb..e todo mundo achava interessante..rsrsr
'brigada pelo link!!
Bjs!

Fabiano Mayrink disse...

Oi Luciana! Não conhecia este alho, ja reparou que tudo o que é exotico é caro ou dificil de se arrumar, olha so que engraçado a Elisa me falou que uma amiga dela do Japão compra uma caixa de bananas verdes por 70 dolares, normal para gente e exotico para eles...

a massa me parece deliciosa, deu vontade, um forte abraço!

Tatiana disse...

Estou doida p/ provar o alho negro, e agora mais ainda!
Esse spaghetti ficou incrível!
Bjs

daniela coselli ciciarelli disse...

Oi Lu parabéns pelo blog adorei, o meu é mangiareconsapore.blogspot.com , mas nemmmmmmm se compara com o seu bja, Daniela Coselli Ciciarelli

daniela coselli ciciarelli disse...

lu o blog do pro-familia é http://pontocruzprofamilia.blogspot.com/ bjao Daniela Coselli Ciciarelli

Dani Bros disse...

Amei essa receita e o blog, parabéns!
Bjks